A arquitetura como ferramenta histórica: conheça palácios e igrejas que abrigam mais que santos

Sabe aquelas igrejas e palácios que viram pontos turísticos? Eles são mais que locais históricos.

Muitos são mausoléus ou abrigos funerários e poucos sabem disso. Conheça 4 memoriais e igrejas que contam história através da arquitetura.

Taj Mahal

Famoso mundialmente, o Taj Mahal foi erguido em memória de Mumtaz Mahal, a terceira esposa do imperador Mughal Shah Jahan.
Localizado na cidade de Agra, na Índia, a construção data de 1653, e é conhecida como a maior prova de amor do mundo.
O mausoléu, famoso como “a joia da arte mulçumana” foi declarado patrimônio mundial pela Unesco.

Além das influências próprias do período em que foi construído, o Taj Mahal tem referências arquitetônicas mongóis.
Sua construção contou com mais de 20 mil homens e custou, à época, 50 milhões de rupias indianas.

Se fosse possível converter, o custo do Taj Mahal seria, aproximadamente, 1.500 milhões de dólares americanos.
Além da grandiosidade o palácio quebrou paradigmas arquitetônicos. Ao invés do vermelho tradicional à época, foi escolhido mármore branco.

Abadia de Westminster

Na Europa, é comum que as igrejas e templos religiosos abriguem urnas funerárias. Geralmente de personagens reais, ou celebridades históricas.
A Abadia de Westminster, na Inglaterra, é uma delas. Considerada a igreja mais importante de Londres, e tem estilo gótico.

A construção da abadia começou em 1245, através do reinado de Henrique III – o primeiro a ser enterrado lá.
A igreja é onde os membros da família real britânica são coroados. E, a maioria, sepultados.

Lá estão também os restos mortais de Isaac Newton, Charles Darwin e Stephen Hawking, por exemplo.

Catedral de Uppsala, Suécia

Uppsala é a 4ª maior cidade da Suécia e a catedral que leva o mesmo nome levou cerca de 200 anos para ser concluída.

A construção, que começou em 1245, foi inaugurada em 1435 e ainda não estava concluída. Só foi finalizada décadas depois.

Em estilo arquitetônico gótico, ostenta duas torres frontais e outra na parte posterior da catedral, construída no século XIII.
Suas torres têm 118,7 metros de altura, fazendo desta igreja a mais alta da Escandinávia.

No chão da catedral é possível ver as indicações de restos mortais de Carlos Lineu, famoso biólogo que criou a taxinomia moderna.

Catedral São Pedro de Alcântara, Petrópolis

No Brasil, uma das catedrais mais famosas e visitadas é a Catedral de Petrópolis.

Em estilo neogótico, começou a ser construída em 1884. Depois de uma paralisação pós proclamação da República, foi finalizada em 1925.

Em 1939 o então presidente da República Getúlio Vargas decretou a igreja como Mausoleu Imperial.

Foi feita, então, a transferência dos sarcófagos de D. Pedro II e Dona Tereza Cristina para a Catedral de Petrópolis.

Lá estão também os restos mortais da Princesa Isabel e do príncipe de Orleans e Bragança, Pedro de Orleans e Bragança.

A igreja tem três naves. Ao todo, mede 70 metros de comprimento e 22 metros de largura.

A torre abriga cinco sinos de bronze fundidos na Alemanha, que pesam, juntos nove toneladas.

Por | 2018-11-02T15:08:56+00:00 2/novembro/2018|Sem categoria|Nenhum comentário